A inscrição corresponde às iniciais de Domingos Ferreira da Silva Guimarães, dono da fábrica entre 1830-1845 a quem o frasco pertencia. Segundo a tradição, continha o “pó de pedra”, cujo segredo era ciosamente guardado pelos donos da fábrica. Feita a análise do conteúdo, verificou-se que era composto por 70% de quartzo e 30% de matéria argilosa.