Estas peças fazem parte de um conjunto de indumentária militar que pertenceu a D. Pedro IV, usada por este Rei durante o Cerco do Porto (1832 – 1833).

Passam a fazer parte das colecções de museus em momentos diferentes: um núcleo constituído pelo óculo, o cinturão e o chapéu armado, foram uma doação feita em 1835 pela Duquesa de Bragança, D. Amélia Augusta, a pedido de João Baptista Ribeiro, ao então denominado Museu Portuense, de que o mesmo era director; o dólman, o colete, o boné e a espada, aparecem inventariados na secção de Objectos Históricos do Museu Municipal, aberto ao público em 1832.

Sem valor artístico nem mesmo material, estas peças - que estiveram durante longos anos em exposição permanente no Museu Nacional de Soares dos Reis - têm sido cedidas para figurarem em diversas exposições de carácter histórico, constituindo sempre objecto de admiração e até de devoção por parte do público que não fica indiferente à carga simbólica que lhes é inerente.