Esta peça faz parte de um paramento constituído por casula, estola, manípulo, véu de cálice e bolsa de corporais. Pertencia ao Paço Episcopal do Porto e foi incorporada nas colecções do MNSR, em 1938.
De qualidade artística e técnica excepcionais, a sua decoração, de carácter vegetalista, é bordada a fio dourado, a sedas policromas e a missangas de coral. Reflecte uma acentuada influência oriental, e um exotismo, resultante dos contactos estabelecidos pelos portugueses através dos Descobrimentos, patente sobretudo na utilização dos corais.