O seu navegador necessita de suporte Javascript para esta funcionalidade.
22 de Novembro de 2017
Utilize as teclas de atalho Alt+1 para navegar para a área de conteúdos do sítio web.
  • Colecção
  • Vidros

Vidros

Pormenor da Salva Inv. 22 Vid CMP/ MNSR

A colecção de Vidros do Museu Nacional de Soares dos Reis é constituída por núcleos de produção nacional e estrangeira maioritariamente dos séculos XVIII e XIX. Da produção nacional é especialmente contemplado o momento do arranque da indústria vidreira, enquanto que da vidraria estrangeira, e reflectindo a importância da importação neste sector, estão presentes linhas de produção corrente do séc. XVIII, em núcleos seriados de modelos e formas muito difundidas.

Do núcleo da indústria nacional setecentista destaca-se um conjunto de vidros armoriados com legendas de saudação alusivos a D. João V e D. José I. Através de um catálogo de uma manufactura portuguesa do século XVIII, podem ser identificadas algumas peças e aferida a sua função. Assim, apresentam-se peças como as Canecas Inglesas, as Canecas Portuguesas, os Copos de canada, as Chícaras para aguardente, as Salvas, Redomas com pé e rolha de rosca, Frascos com rosca para Tabaco ou ainda as Galhetas unidas com pé de salva. Presentes em grande número na colecção, encontram-se tipologias correntes na época como os frascos e os grandes copos.

O núcleo de produção nacional integra ainda peças do séc. XIX manufacturadas na Real Fábrica da Vista Alegre, contemplando algumas peças de vidro moldado constantes do seu primeiro catálogo, datado de 1829.

Entre os vidros estrangeiros, a produção catalã de finais do séc. XVII e XVIII é marcada por grande originalidade. Também de origem espanhola e oriunda da Real Fábrica de La Granja de San Ildefonso, expõe-se uma das suas produções mais características, os vidros dourados ao fogo, em peças delicadas para serviço de mesa.

As formas e motivos ornamentais estereotipados caracterizam a produção de vidros com pintura em esmalte do século XVIII. Alguns exemplares, datados e com inscrições, permitem classificar a sua origem em vidrarias da Boémia. A mesma pintura em esmalte é aplicada sobre vidros opalinos, provenientes das vidrarias da Boémia, Saxónia e de Espanha, pertencentes à segunda metade do século XVIII.